Sobre o projeto

Walk the dog

X
Autores

Camila Maia da Conceição Gurgel

Miriam do Carmo Souza


Contato

Camila Gurgel - camilagurgel.m@gmail.com ou contato@walkthedog.com.br

Miriam Mica - miriambacana@gmail.com ou contato@walkthedog.com.br


Quer viabilizar este projeto? Clique em “Apoie essa ideia”. As condições de implementação deverão se negociadas diretamente com o autor. Nós sugerimos uma remuneração de R$5.000,00 para o(s) autor(es).

Apoie essa ideia.

Sobre o projeto


O Cenário
Não é novidade que o número de cãezinhos abandonados nas ruas aumenta a cada dia. A Organização Mundial da Saúde estima que só no Brasil existam 10 milhões de cachorros abandonados, só em São Paulo estão 2 milhões desses bichinhos.
Uma reportagem publicada pelo portal de notícias G1 em dezembro de 2012 afirma que o número de animais abandonados pelas ruas do Rio aumenta cerca de 40% na época de fim de ano por causa das viagens das famílias e dos bichos que são dados como presente de Natal.
Inúmeros são os motivos que levam as pessoas a abandonar seus melhores amigos: gravidez indesejada, mudança, doenças e muitos outros. E do outro lado da linha, estão os apaixonados por animais, que acolhem os bichinhos em suas casas ou criam abrigos para recebê-los.
O número de abrigos no Brasil é grande, mas ainda assim não há capacidade suficiente. Não há condições físicas nem financeiras. Ainda segundo o portal de notícias G1, um abrigo com 310 animais precisa de no mínimo duas toneladas e meia de ração por mês.
As únicas formas de resolver essa situação é por meio da castração (seria necessário castrar 80% dos animais) ou aumentando o número de adoções. Mas, infelizmente, para cada 10 animais abandonados, apenas um é adotado. A maioria das pessoas acabam procurando por cães em petshops, pagam caro e só pioram a situação.
10 milhões de cachorros abandonados, falta de recursos nos abrigos, uma sociedade sem a mentalidade de adoção. Foram exatamente esses tristes fatos que motivaram o nascimento do nosso projeto: Walk the Dog.

A ideia
Um dos fatores que dificultam despertar o interesse das crianças e famílias em adotar os bichinhos, são os ambientes dos abrigos. Normalmente são lugares não muito agradáveis. Segundo o site cãocidadão.com.br, no abrigo Woodgreen Shelter na Inglaterra, as crianças podem até ler a histórias dos cãezinhos e brincar com eles. O que aumenta significativamente o número de adoções.
Pensando nisso o projeto Walk the Dog, vai levar os cãezinhos para perto das pessoas, aumentar a interação e facilitar a criação de laços com os possíveis donos. A ideia é inserir os cãezinhos no dia-a-dia das pessoas num momento propício para a aproximação.
Nos finais de semana, em grandes parques e calçadões de beira de praia, vamos montar o estande do Walk the Dog. Um ponto para onde traremos dos abrigos uma grande quantidade de cachorrinhos abandonados e colocaremos a disposição das pessoas que ali estarão fazendo seu exercício diário ou só passeando com as crianças no final de semana.
A ideia é que qualquer pessoa que esteja no local para fazer sua caminhada, possa contar com a companhia mais que especial do melhor amigo do homem.

Como funciona
A pessoa chega no estande e vê todos os cachorrinhos a espera de alguém para dar uma volta. Um promotor faz o cadastro da pessoa rapidamente (nome, telefone, endereço e um documento de identificação) e pergunta de qual dos amiguinhos a pessoa gostou mais. Ela escolhe e leva o cachorrinho para passear com ela, sem compromisso.
Durante uma hora, o cachorrinho pode brincar, correr, passear, receber carinho e depois voltar para o estande. Além de todos os benefícios que podem trazer para os cãezinhos que vivem presos nos abrigos sem muita chance de se divertirem, o Walk the Dog também permite que as pessoas que sempre fazem suas caminhadas solitariamente, possam contar com uma companhia agradável. Pesquisas apontam que brincar com os bichinhos faz com que o corpo produza mais endorfina, e as pessoas com hipertensão ou obesidade, crianças com autismo, surdez e gagueira se desenvolvem melhor ao lado dos cachorros.
Por esse passeio a pessoa só paga o valor de 1 real e ainda ganha benefícios: se for a primeira a levá-lo para passear, pode escolher o nome do bichinho. Ainda no estande será possível comprar brinquedos e deixar ração e até remédio pagos, para contribuir com os abrigos. Além, é claro, de fazer a adoção imediata do cãozinho.
Como o principal objetivo do projeto Walk the Dog é conscientizar a população a respeito da importância de se adotar ao invés de comprar, os cachorrinhos usarão roupas com mensagens motivadoras e divertidas, divulgando o assunto e servindo de mídia para movimentar o assunto. Além disso, serão desenvolvidas peças para internet, reforçando o pensamento de adoção. E no próprio estande, será possível tirar fotos com os bichinhos e postar imediatamente nas redes sociais, espalhando ainda mais o tema.
O estande será itinerante e visitará uma cidade por vez, contando com a participação dos abrigos locais.

Resultados
O Walk the Dog é um projeto que busca mudar um comportamento. A dura realidade de cãezinhos abandonados é uma responsabilidade de todos. Com essa iniciativa, o número de adoções vai crescer, as pessoas vão caminhar mais felizes e os cãezinhos que não forem adotados, ainda ganham momentos de diversão no seu dia. Walk the Dog é um projeto que pode transformar atitudes e impactar a vida das cidades.

Faça a diferença - Conheça as ideias finalistas e veja como apoiar!

Centenárias_WiFi

Serão colocados Wifi em árvores centenárias de São Paulo para fortalecer a ligação entre o usuário e a vegetação nativa da cidade. O acesso será gratuito e provido por um equipamento que não ficará fisicamente na árvore, mas em suas proximidades.

Autores
Pedro Sperandio Chamme
Rodrigo Augusto Sganzerla
Saiba mais

Cab riders

É um aplicativo que permite aos ciclistas chamarem um taxi equipado com um bike rack para levá-los ou trazê-los de volta de seus passeios. Além disso, o aplicativo oferecerá dicas das melhores rotas para biclicletas na cidade.

Autores
Rodolfo Marques do Nascimento
Werner Pockel Faria
Saiba mais

Hemoglobina

É uma plataforma que conecta doadores de sangue, artistas e investidores com a finalidade de aumentar os níveis dos bancos de sangue do brasil, e possibilita a realização de shows de bandas internacionais para o país. Uma espécie de "bloodfunding".

Autores
Humberto Nogueira
Marcelo de Holanda
Saiba mais

PraQtransito

Trata-se de um aplicativo para amenizar a rotina estressante do trânsito na cidade de São Paulo transformando o dia-a-dia em um game social. Ganha-se pontos de acordo com atitudes como usar o transporte público, dar ou aceitar carona.

Autores
Rafael Nicioli Paes
Mariana Braga da Cunha Nicioli Paes
Saiba mais

Walk the dog

Com o Walk the Dog, cães provinientes de abrigos serão disponibilizados a frequentadores de parques e calçadões de praia para passeios, brincadeira e companhia, pelo período de uma hora.

Autores
Camila Maia da Conceição Gurgel
Miriam do Carmo Souza
Saiba mais

As lixeiras
inseparáveis

O projeto deixa mais divertida e facilita a separação do lixo dentro de casa ou no escritório. Os autores desenvolveram um item de decoração: lixeiras duplas inseparáveis (uma para o lixo orgânico e outra para o que pode ser reciclado) e ilustradas com personagens que estão sempre juntos no cinema ou literatura.

Autores
Marcela Studart Correa Barreto
João Ricardo Batista Rios
Saiba mais

Color 8

É uma pulseira com tecnologia hidrosensível que muda de cor em 8 minutos após ser molhada, indicando o tempo ideal de um banho. Além de reduzir o consumo de água, a ideia é destinar parte da venda das pulseira para programas de combate à seca.

Autores
Adiel "Ben" Araújo
Marcos Müller Rodrigues Santos
Saiba mais

Mil metros limpos

É um projeto de crowdfunding que propõe o apadrinhamento de cotas mínimas de 10 cm para revitalização de um rio poluído.

Autores
João Gabriel Gragnani
Consuelo lopes marques
Saiba mais

Reverso

A proposta é implantar o fornecimento - pelos supermercados e damais estabelecimentos comerciais - de sacolas plásticas biodegradáveis nas cores azul, vermelho, verde, amarelo e marrom, conforme padrão internacional.

Autores
Marcos Magalhaes Cunha
Derval de Oliveira Braga Jr
Saiba mais

Atletas urbanos

É uma rede social pensada e desenvolvida para estimular a prática de atividades físicas na campanha de pessoas que fazem o mesmo esporte na mesma região e, com isso criar um estímulo para a prática, utilizando e valorizando os espaços urbanos.

Autores
Jéssyka Fernandes Vieira
Marcelo Francisco Costa Neto
Saiba mais

Doe seu peso

A campanha propõe em parceria com academias para estimular as pessoas a perderem peso e trocar os quilos perdidos por alimentos doados a instituições filantrópicas.

Autores
Fabio Seidl
Guto Kono
Saiba mais

Ponto verde

Permite que o morador ajude a construir coletivamente um grande mapa virtual de onde descartar sete produtos: aparelho celular, lâmpadas, garrafas PET, embalagens longa vida, pilhas, baterias de celular, papel e revistas.

Autores
Gabriel Carolino Ferreira Veras Rodrigues
Saiba mais

Segunda via.
Diga não e preserve.

"Segunda via. Diga não e preserve". O usuário do cartão de crédito é incentivado a não pedir a segunda via impressa, mas recebê-la por meio virtual.

Autores
Paulo Cezar Chagas dos Santos
Anselmo Leal Ferreira Junior
Saiba mais